A Grande Viagem!

Meados de 2009, Jorge começa a sonhar com a maior de todas as aventuras: IR DE MOTO À MACHU-PICHU, no Peru.

Em Julho de 2009, inicia a jornada em busca de informações, usando a rede como parceira, começa a participar do site: Mochileiros.com, cujo objetivo é unir os aventureiros de plantão, para que possam compartilhar experiências, expor dúvidas, trocar idéias, informações e dicas, enfim, sonhar e realizar juntos.

Jorge abre um tópico no site procurando outros motociclistas que estivessem interessados em acompanhá-lo nesta aventura e pede àqueles que já realizaram suas viagens que colaborem com todo tipo de informação que possa ser útil para o planejamento da viagem. Jorge também inicia um novo hobby : ler!!! Começa a ler vários livros sobre grandes viagens de moto pela América do Sul. Surgem pessoas importantes, que dão dicas incríveis e que irão fazer parte de toda preparação.

Depoimento Andréa: “Leiam o depoimento de Jorge e vocês entenderão o meu PÂNICO com a idéia… se lerem os livros e blogs então….”
Depoimento Jorge:
“Depois de ler vários relatos em sites de motociclismo de pessoas que viajaram para destinos surreais como Machu Picchu (Peru), Ushuaia (Argentina) e deserto do Atacama (Chile), decidi que faria uma viagem internacional também, pois tinha ficado maravilhado com os lugares por onde passaria e com os desafios de superação pessoal e logistica que envolvem uma aventura desse porte.
Não tive êxito em encontrar um companheiro motociclista para a viagem, apesar de aparecerem vários interessados, porque cada um tinha um motivo diferente que os impedia, como época de férias no trabalho, necessidade de trocar de moto, etc…  mas encontrei pessoas dispostas a colaborar com informações e dicas fundamentais para que o planejamento fosse realizado.
E aqui vai um agracedimento especial ao meu amigo ChinaF que ajudou demais com toda a experiência acumulada em suas (várias) viagens pela América do Sul a bordo de sua incansável Faser 250!!!
A princípio o destino escolhido foi Machu Picchu, no Peru, berço da civilização Inca, e então se seguiu um árduo trabalho de pesquisa sobre os caminhos possíveis (e alguns impossíveis) para escolha de um roteiro de viagem. Depois de ler muitos relatos de quem fez esta viagem ficou claro que não seria nada fácil chegar à cidade sagrada dos Incas. O caminho mais curto, a partir de Salvador, na Bahia, seria seguir para o oeste em direção a Brasilia, Cuiabá, saindo do Brasil por Cáceres e atravessando a Bolivia por Santa Cruz de la Sierra, Cochabamba, La Paz e adentrando no Peru pelo sul do lago Titicaca, rumando então para o norte em direção a Cuzco, onde ficaria hospedado. A partir daí chega-se em Machu Pucchu de trem numa viagem de poucas horas.
Existe a opção de seguir pelo noroeste do Brasil, via Acre, atravessando uma boa parte da floresta Amazônica brasileira e peruana, contornando a Bolívia sem adentrar neste conturbado país, e retornando pelo sul, via Chile e norte da Argentina, caminho este mais utilizado pelos motociclistas, mas para esta viagem seriam necessarios mais de 45 dias e eu não dispunha de todo esse tempo.
Resolvi então que o roteiro seria ir e voltar pela Bolívia mesmo, país com cultura e paisagens fantásticas.
Mas quanto mais eu me informava a respeito das estradas bolivianas, mais difíceis elas me pareciam. A parte mais complicada era logo no início, assim que entrava na Bolívia. A distância entre a divisa com o Brasil e a cidade de Santa Cruz de la Sierra é de aproximadamente 700 kms, dos quais 450 kms são de estrada de terra batida.
Até aí, tudo bem. Mas o problema é que quando chove esta estrada fica impraticável até para veículos 4X4, além de ter alguns piscinões de areia fofa que não combinam nem um pouco com moto grande e pesada. Aliás, areia fofa não combina com moto nenhuma.
E como eu não sou nenhum piloto de Rali Paris-Dakar, e a época do ano em que a viagem aconteceria coincide com o inicio da temporada de chuvas na região, cheguei à brilhante conclusão de que iria dar merda!
Ah, esqueci de mencionar que esta região de fronteira entre o Brasil e a Bolivia é também a principal rota do narcotráfico sulamericano, e a corrupção do exército boliviano também não colabora muito com os viajantes em geral, especialmente com aqueles que chegam com motos grandes e novinhas…
E agora? O que fazer?
Desistir da viagem? :(
Nem a pau!!! :)
Apenas adiá-la! Informações vindas de lá dizem que uma estrada que liga Corumbá-MS a Sta.Cruz de La Sierra está sendo construída e deve estar pronta em 2011 (era pra ser em 2010, mas sabem como é, né…). Esta estrada tem como objetivo facilitar o transporte rodoviário entre os dois países.
Existe também a possibilidade de eu ter um amigo do meu motoclube me acompanhando, e isso realmente me deixaria muito feliz, além da viagem ficar mais segura, com outra moto junto.
Fica então o projeto Machu Pichu adiado para dezembro de 2011.
Neste momento você que está lendo este texto deve estar pensando:
“mas que diabos! Depois de eu ler pacientemente todo este texto o cara simplesmente diz que não vai mais? Por que então ele não vai pra p… q… p….???”
Muita calma nessa hora! Não ir para M.Picchu este ano não significa que não irei a lugar algum…” :):):)
Continua…
facebookyoutubemail

2 opiniões sobre “A Grande Viagem!”

  1. Jorge

    Demais o seu comentário e acredito que você vai conseguir realizar todos os seus sonhos. Planejamento é fundamental e você está realizando isto muito bem pelo que li e conversamos. Pode contar comigo Henrique Franco

  2. Olá, Jorge. O importante é não desistir. Seja persistente que uma hora seus sonhos se realizam. Já pensou em chegar a Machu Picchu passando por San Pedro de Atacama e pela Pan Americana? O percurso é maior, mas as estradas são infinitamente melhores. Dê uma olhada no meu blog. Talvez você encontre lá alguma informação que te ajude.

    Abraços

    Rômulo
    http://www.viagemdemoto.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>